09 agosto, 2016

Acreditar é ter fé

Nos recentes mergulhos no oceano do inconsciente descobri que não acreditava de fato que existiria algum único homem honesto, leal e fiel à mim. Não porque que não merecesse, ou não desejasse. Mas porque internalizei as crenças do inconsciente coletivo brasileiro:
- Homem não é fiel!
- Homem é traiçoeiro!
- Homem é mentiroso!
- Homem é tudo igual!

Que cruel! Crenças que destroem infinitas possibilidades de entrega ao relacionamento a dois.
Que difícil uma vida sustentada na desconfiança e no medo do outro, da dor, do chifre!!!
Que difícil equilibrar uma relação com um homem quando se parte de uma lógica tão cruel que o insere em grupos tão insólitos da humanidade. Julgados e condenados antes de qualquer prova real. Nasceram homens, por isso infiéis às mulheres! Que cruel!
Cruel para nós mulheres, e sobretudo, para estes homens que nascem dentro de um modelo.

Agora percebo o quanto eu vivia atormentada com essas vozes dentro da minha cabeça.

Crenças, crenças, crenças. Do tipo que nos aprisionam em enredos dramáticos. Do tipo que nos faz gastar muita energia para o controle do outro, das outras e de nós mesmas, que nos enganamos que esse controle é segurança!

Cansa! E eu cansei!

Declino do poder de controle sobre o tempo e o espaço do outro. 
Quando alguém assume um relacionamento a dois é porque quer um relacionamento a dois. Pronto.

Vou acreditar na honestidade, lealdade e fidelidade dos homens, assim como acredito na das mulheres. E qualquer coisa que escape a isso é um erro de caráter, e não de gênero.

Acreditar no outro é uma questão de fé. Fé em si mesma e na capacidade de se recriar para ser feliz.